SINDPOL-DF denuncia aluguel milionário de nova sede da SEAPE

0

O Sindicato dos Policiais Penais do Distrito Federal (SINDPOL-DF) denunciou o novo contrato de aluguel da futura sede da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (SEAPE) que sairá do SIA para um prédio no Setor Bancário Sul (SCS). Os valores contratuais terão impactos superiores a 200% aos cofres públicos onde passarão de R$ 77 mil para R$ 225 mil mensais. A denúncia foi destaque na reportagem “Secretaria do Sistema Penitenciário do DF vai mudar de prédio para pagar o triplo do aluguel”  veiculada no programa jornalístico DFTV 1ª Edição, da Rede Globo de Televisão.

Na matéria televisiva, o presidente do SINDPOL-DF, Paulo Rogério, demonstrou a indignação da categoria com a transferência da sede. “É com muita indignação e revolta que a categoria recebe a notícia da mudança de sede da SEAPE, que sai do SIA para o Setor Bancário Sul. Uma sede maior para um espaço menor, onde já há estudos de locação de um segundo espaço por não abrigar a estrutura da atual secretaria. Qual é o ganho que a população do Distrito Federal vai ter com esse novo aluguel?”, questionou.

A reportagem também mostrou que, enquanto a SEAPE aumenta os gastos com aluguel de imóvel para a nova sede, os policiais penais seguem em situação desumanas de trabalho. Citou a situação vivida pelos policiais dos Centros de Detenção Provisória 1 e 2, onde o sindicato teve que realizar a doação até de fio elétrico para a instalação de chuveiros para que os policiais pudessem ter a dignidade de tomar banho no dia do plantão. 

Por fim, o presidente afirma que continuará atento sobre como serão empregados os recursos financeiros da SEAPE, haja vista que são patrimônio da dignidade da categoria. “É inadmissível e revoltante ver a categoria agonizando na situação que se encontra o sistema penitenciário do Distrito Federal. Ao invés de criarem soluções que minimizem o sofrimento dos policiais penais, dando-lhes dignidade em seus locais de trabalho, a gente é surpreendido com uma notícia dessa, a nova secretaria na contramão do sofrimento da categoria, assinando contratos que custarão R$ 13,5 milhões que sairão do bolso da população. Onde há o interesse público nisso? Eu gostaria de saber”, finaliza Paulo Rogério.

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

Faça seu comentário, deixe sua impressão. Essa inteiração é muito importante para nós!
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião desta instituição.

EnglishPortugueseSpanish
Skip to content